Home
O BNDES e a Odebrecht

Uma grande dúvida da população envolve a quantia que o BNDES desembolsou para a Odebrecht, um grupo envolvido na operação Lava Jato.

O BNDES está aberto para explicar a você todas as suas dúvidas sobre as operações com esse grupo.

Qual o valor das operações do BNDES com a Odebrecht?

Ao todo, o BNDES desembolsou R$ 32,9 bilhões para empresas controladas pelo grupo Odebrecht. Em valores atualizados, em setembro de 2019, o desembolso total na Odebrecht equivale a R$ 51,3 bilhões e corresponde à terceira empresa que mais recebeu recursos do BNDES (logo após Petrobras e Embraer).

Os desembolsos realizados para a Odebrecht entre 2008 e 2015 concentram 89% do total realizado para o grupo entre 2003 e 2018.

Como foi usado esse dinheiro que foi liberado para a Odebrecht?

R$ 15,3 bilhões foram emprestados ao Grupo, em sua maioria para projetos de infraestrutura no Brasil.

R$ 1,5 bilhão foi investido em ações das empresas OTP do setor de transportes e Atvos do setor agropecuário, ambas controladas pela Odebrecht.

R$ 16,1 bilhões foram utilizados para a exportação de bens e serviços de engenharia a 10 países que contrataram a Construtora Odebrecht para realizar obras de infraestrutura, entre eles, Angola, Argentina, Cuba e Venezuela. Nestes financiamentos os recursos foram liberados para a empreiteira, mas quem assume a dívida é o país contratante.

Quanto que o BNDES perdeu com estas operações?

O BNDES depende da evolução dos processos de recuperação judicial das empresas do Grupo Odebrecht para discriminar as perdas efetivas.

O valor total de perdas já incorridas ou potenciais para o BNDES ou a União é, em valores convertidos e atualizados, de R$ 14,6 bilhões.  

Desse total, o valor de R$ 3,7 bilhões (US$ 900 milhões convertidos pelo câmbio de 25/9/2019) relaciona-se a perdas da União em créditos no financiamento à exportação. Isto porque, o FGE (Fundo Garantidor de Exportações) indeniza o BNDES por todos os inadimplementos gerados pelos países importadores. 

Da quantia restante de R$ 10,9 bilhões, o valor de R$ 8,7 bilhões atualizado até maio de 2019, refere-se ao total dos créditos do BNDES apontados na recuperação judicial do Grupo Odebrecht.

Com a venda pelo BNDES de ações da Atvos, em valores atualizados, a perda efetiva é de R$ 800 milhões e, com a OTP, a perda potencial das ações ainda em carteira é de R$ 1,4 bilhão. 

Os valores das perdas potenciais relacionadas às empresas em recuperação judicial encontram-se, de forma conservadora e seguindo as melhores práticas contábeis, totalmente baixados nas demonstrações financeiras do Sistema BNDES.

Para mais informações, veja nota da direção do BNDES sobre operações envolvendo o grupo Odebrecht

Quais as ações tomadas pelo BNDES ao descobrir que empreiteiras estavam envolvidas em escândalos?

Com as descobertas das investigações, a primeira medida do Banco foi suspender qualquer tipo de desembolso a essas empreiteiras. Além disso, o BNDES estabeleceu políticas mais rígidas para os desembolsos futuros, sempre em alinhamento com o Plano de Ação do Tribunal de Contas da União (TCU). Juntas, essas medidas impediram que US$ 11 bilhões (valor equivalente a mais de R$ 40 bilhões em setembro de 2019), que estavam contratados, fossem liberados.

Ficou claro? Se você tem dúvidas sobre outros casos que nos envolvem e quer conhecer mais sobre as ações do BNDES, dê uma olhada no restante do site. E lembre-se: o BNDES está aberto pra você. Está aberto para o desenvolvimento do Brasil.

Veja também
O BNDES e o Grupo X